só e imóvel a velar, encardido pelo sol e pelo tempo, testemunho de prantos, lamentações e orações.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

A um poeta (Antero de Quental)


                                                         imagem da web

Tu que dormes, espírito sereno,
Posto à sombra dos cedros seculares,
Como um levita à sombra dos altares,
Longe da luta e do fragor terreno.


Acorda! É tempo! O sol, já alto e pleno
Afugentou as larvas tumulares...
Para surgir do seio desses mares
Um mundo novo espera só um aceno...

Escuta! É a grande voz das multidões!
São teus irmãos, que se erguem! São canções...
Mas de guerra... e são vozes de rebate!

Ergue-te, pois, soldado do Futuro,
E dos raios de luz do sonho puro,
Sonhador, faze espada de combate!

nota do anjo : poema dedicado aos amigos blogueiros que postam e os que que deixaram de postar


por joão.



Um comentário:

  1. Boa tarde prezado Amigo
    Venho lhe desejar uma linda semana coberto de muita paz e amor!
    Sua presença é muito importante em meu recanto, por esta razão veio lhe agradecer a sua presença.
    Assim que poder acesse o link
    http://www.mariaalicecerqueira.com/2012/01/degustacao-do-livro-vida-nossa-de-cada.html
    e leia a degustação do meu próximo livro! Vida nossa de cada dia!
    Obrigada de todo o coração!
    Abraço fraterno

    Maria Alice

    ResponderExcluir